Proteína Vegetariana

agosto 12, 2015


Nunca parei pra pensar em toda a questão filosófica desse lance de não comer carne. Na verdade eu nunca dei importância pra isso, mas depois que um amigo meu virou vegetariano (bêjo Allan!), passei a conversar bastante com ele e comecei a ver o assunto sob outro ângulo. Apesar da ética que envolve este tema, passei a reduzir o consumo de carne na minha alimentação desde então.

Não pense que é fácil porque é muito difícil entrar no restaurante pra almoçar e sentir aquele cheiro de frango assado. :(

No meu caso, o que acaba facilitando essa redução é que como eu almoço na rua de segunda a sexta, eu procuro alternativas vegetarianas (na medida do possível) e na janta, em casa, eu acabo comendo o que tem, e geralmente envolve alguma carne.

Só esclarecendo: ainda não sou vegetariana. Mas estou buscando sim reeducar a minha alimentação com algumas alternativas vegetarianas quando possível. Porque ser vegetariano não é só parar de comer carne, envolve toda uma questão ética que falei brevemente ali em cima – que posso detalhar em outro post.
E uma das coisas que deixam as pessoas mais confusas sobre o vegetarianismo é: e tira proteína da onde? Prontos para descobrir?

Pois bem, meus caros. A variabilidade de vegetais que possuem grande quantidade de proteínas é bem grande acredite se quiser!
Vamos aos fatos:

Leguminosas: O feijão nosso de cada dia é uma ótima fonte de proteínas de origem vegetal. Além dele, lentilhas, ervilhas, grão de bico, quinoa e alguns cereais também são ricos nesse nutriente. Mas esses alimentos precisam ser combinados com outros para que se tenha em proteínas de boa qualidade, como o nosso amigo lindo arroz com feijão, quinoa com milho e arroz integral com ervilhas vermelhas.
Com relação à ervilha, o ideal para utilizar bem as proteínas é consumir o alimento de forma cozida. Só pra você ter noção, uma concha de lentilha corresponde cerca de 100g de carne.
O mesmo vale para o grão de bico. Portanto, está entre uma das mais ricas fontes de proteína de origem vegetal, da família das leguminosas.

Tomate: Além da proteína, é rico em licopeno (antioxidante), vitaminas A, B e C, fósforo, ferro e potássio.

Repolho: O repolho também tem grandes quantidades de vitaminas C, A, B1, B2, B6 e K, ácido fólico, fibras, cálcio, fósforo, enxofre e alguns nutrientes que fazem com que o repolho seja anti-inflamatório.

Pimentão: Que também é rico em capsaicina, que tem propriedades vermífugas e ajuda a limpar o estômago. No pimentão, há boas quantidades de vitaminas C e A e minerais como cálcio, fósforo e ferro.

Pepino: Além dos milhões de benefícios para a pele, o pepino também é bom para os músculos, pois é uma boa fonte de proteína. Composto 90% de água, pepinos também são ricos em vitamina C, B5, potássio, magnésio, folato, fibras e antioxidantes – principalmente beta e alfacaroteno, luteína e zeaxantina. Dentre suas principais qualidades, estão a capacidade calmante, e as ações anti-inflamatória, digestiva, estimulante, remineralizante, diurética, tônica e laxativa (ou seja, bom para quem tem prisão de ventre).

Salsinha: Acredite se quiser, mas ela também contribui na lista da proteína. As folhinhas que também decoram pratos são ricas em vitaminas C, B6, B2, manganês, cálcio, zinco e ferro. Sua principal atuação no organismo é afinando o sangue, o que contribui no combate às doenças cardiovasculares.

Cogumelos: Muitos já sabem da sua riqueza, mas sim, os cogumelos são muito amigos no que se refere às proteínas – e o melhor, muito pobres em gordura! Ainda são excelentes fontes de vitaminas B2, B3 e B5, selênio, cobre, triptofanos (aminoácido presente no código genético), potássio e fósforo.
Brócolis: Esse vegetal também é rico em minerais, como cálcio, potássio, ferro, zinco e sódio e possui grande quantidade de vitaminas A, C, B1, B2, B6 e K. Pela grande qualidade nutricional, ele é considerado um superalimento. Há pesquisas que relaciona o consumo diário de brócolis à diminuição de doenças do coração, de úlceras e gastrites, além de ele ser bom para os ossos, dentes, cabelos, unhas, pele e no combate às anemias.
Couve-flor: Da mesma família do brócolis, da couve e do rabanete, a couve-flor também é rica em proteínas. Ela pode não ter gosto de nada, mas couve-flor ainda é rica em vitaminas C, K e B6, além de ácido fólico, cálcio, magnésio, fósforo, potássio e manganês e atua na proteção do organismo contra doenças cardíacas, osteoporose e mal de Alzheimer, alivia a hipertensão e previne a calvície. Uau!

Couve: Amor eterno por esta hortaliça! ♡ É também cheia das vitaminas A, B6, C e K, além de ter muito ferro e cálcio. Possui ação vermífuga, ajuda no combate a problemas do fígado e do estômago, é benéfica para quem possui prisão de ventre e diminui os sintomas da asma e da bronquite. Estudos mais recentes relacionaram esse santo remédio à diminuição da multiplicação de células cancerígenas.
Mais um ponto positivo: cada 100g de couve possui apenas 25 calorias.

Espinafre: É também rico em Ferro, Fósforo, Cálcio, vitamina A e vitaminas do complexo B. Assim, ele atua no combate às anemias, à fadiga, à hipertensão, hemofilia, pedras nos rins, artrites e escorbuto. O espinafre ajuda a fortalecer os dentes e os ossos, favorece os sistemas digestivo e nervoso e diminui a queda de cabelos.
Achava que o principal alimento do Popeye era o espinafre por quê? hahaha

Ovo: A clara do ovo é composta quase totalmente de proteína, e quase não tem gorduras, vitaminas, minerais nem carboidratos. Já a gema é composta por 50% de água, uma fração maior de lipídios (gorduras) e outra, menor, de proteínas. Ou seja, está aí uma ótima fonte de proteínas. Na gema também há uma boa quantidade de vitamina A. Do ovo, até a casca se aproveita, já que ela é rica em cálcio, magnésio e fósforo. O pó da casca de ovo pode ser usado em farinhas e misturas nutricionais como fonte de cálcio.
Como têm falado ultimamente: depois do leite materno, o ovo é o alimento mais completo!
Amêndoas: Elas também são capazes de prevenir contra doenças cardiovasculares e ainda contribuir para a saúde dos ossos.

Castanha de caju e do pará: Além de ser uma importante fonte do nutriente, a castanha de caju também possui substâncias que ajudam a regular as taxas de colesterol no organismo e ainda é boa para o fortalecimento do sistema imunológico, entre muitos outros benefícios para o organismo.

Aveia crua em flocos: Também auxilia em uma melhor digestão, a reduzir o colesterol ruim (LDL), entre muitos outros benefícios para o organismo.
Além de todos estes benefícios, uma pesquisa realizada no Reino Unido comprovou que vegetarianos têm menos chance de ter problemas cardiovasculares.

Gostaram?

BEIJOS

Você também deve gostar

0 comentários